Processamento de dados no Metaverso

Existem muitas maneiras no Metaverso de coletar e usar dados pessoais.

Nesse caso, o risco de violação de dados cresce exponencialmente e, como o Metaverso coletará mais informações do usuário do que qualquer outra plataforma existente no momento, o risco deve ser ainda mais preocupante.

A quantidade de dados que serão coletados no Metaverse é imensurável, pois o Metaverse poderá capturar e armazenar reações físicas, expressões e vozes, além de dados já concebíveis, como transações financeiras, conversas, dados de registro e características físicas. Portanto, a legislação deve ser fortalecida para evitar que as empresas que criaram o Metaverso e as empresas que têm acesso a dados além do uso autorizado do usuário utilizem esses dados.

Além disso, pode ser prevista a possibilidade de intentar ação para fazer valer os seus direitos, conforme indicado no artigo 22.º em juízo, no que diz respeito a documento de proteção individual e coletiva”.

Existem várias maneiras de proteger dados pessoais.

Num ambiente onde os dados pessoais são constantemente utilizados, existem também várias práticas de transparência que não são suficientes para garantir os direitos de quem utiliza a internet, é importante que proporcionam privacidade e proteção de dados de boas práticas às empresas que disponibilizam estas aplicações . Essas preocupações são ampliadas quando falamos de tecnologias imersivas, onde a coleta de dados é mais intensiva.

Embora o Metaverso traga inovações incríveis para nossas vidas diárias, existem riscos e vulnerabilidades consideráveis ​​que não podemos ignorar. Nossos esforços devem estabelecer uma estrutura legal forte para proteger os dados pessoais de todos os usuários.

A LGPD confere poderes aos titulares de dados pessoais, conferindo-lhes o direito de exercer durante todo o processamento dos dados pessoais do titular pela instituição detentora das informações. A Lei prevê um conjunto de ferramentas que se traduzem na esfera pública em mecanismos de aprofundamento das obrigações de transparência ativa e passiva.


Por Silvana de Oliveira:  Mediadora e Árbitro, Vice-presidente da Just Arbitration, coordenadora do NPD (Núcleo de Provas Digitais) e do Núcleo de Ensino EaD,  Técnica de Coleta e Processamento de Registro de Provas Digitais na forma Criptografada com a tecnologia Blockchain e ICP Brasil, engenharia social reversa Maltego, Marcas e Patentes.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.